28 dezembro 2008

Domingo da família de Jesus


Evangelho segundo S. Lucas 2,22-40.
Caravaggio
Quando se cumpriu o tempo da sua purificação, segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentarem ao Senhor, conforme está escrito na Lei do Senhor: «Todo o primogénito varão será consagrado ao Senhor» e para oferecerem em sacrifício, como se diz na Lei do Senhor, duas rolas ou duas pombas. Ora, vivia em Jerusalém um homem chamado Simeão; era justo e piedoso e esperava a consolação de Israel. O Espírito Santo estava nele. Tinha-lhe sido revelado pelo Espírito Santo que não morreria antes de ter visto o Messias do Senhor. Impelido pelo Espírito, veio ao templo, quando os pais trouxeram o menino Jesus, a fim de cumprirem o que ordenava a Lei a seu respeito. Simeão tomou-o nos braços e bendisse a Deus, dizendo: «Agora, Senhor, segundo a tua palavra, deixarás ir em paz o teu servo, porque meus olhos viram a Salvação que ofereceste a todos os povos, Luz para se revelar às nações e glória de Israel, teu povo.» Seu pai e sua mãe estavam admirados com o que se dizia dele. Simeão abençoou os e disse a Maria, sua mãe: «Este menino está aqui para queda e ressurgimento de muitos em Israel e para ser sinal de contradição; uma espada trespassará a tua alma. Assim hão-de revelar-se os pensamentos de muitos corações.» Havia também uma profetisa, Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, a qual era de idade muito avançada. Depois de ter vivido casada sete anos, após o seu tempo de donzela, ficou viúva até aos oitenta e quatro anos. Não se afastava do templo, participando no culto noite e dia, com jejuns e orações. Aparecendo nessa mesma ocasião, pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém. Depois de terem cumprido tudo o que a Lei do Senhor determinava, regressaram à Galileia, à sua cidade de Nazaré. Entretanto, o menino crescia e robustecia-se, enchendo-se de sabedoria, e a graça de Deus estava com Ele. 

14 dezembro 2008

III DOMINGO DO ADVENTO - da alegria


Evangelho segundo S. João 1,6-8.19-28.

Apareceu um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Este vinha como testemunha, para dar testemunho da Luz e todos crerem por meio dele. Ele não era a Luz, mas vinha para dar testemunho da Luz. Este foi o testemunho de João, quando as autoridades judaicas lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para lhe perguntarem: «Tu quem és?» Então ele confessou a verdade e não a negou, afirmando: «Eu não sou o Messias.» E perguntaram-lhe: «Quem és, então? És tu Elias?» Ele disse: «Não sou.» «És tu o profeta?» Respondeu: «Não.» Disseram-lhe, por fim: «Quem és tu, para podermos dar uma resposta aos que nos enviaram? Que dizes de ti mesmo?» Ele declarou: «Eu sou a voz de quem grita no deserto: 'Rectificai o caminho do Senhor', como disse o profeta Isaías.» Ora, havia enviados dos fariseus que lhe perguntaram: «Então porque baptizas, se tu não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?» João respondeu-lhes: «Eu baptizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. É aquele que vem depois de mim, a quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias.» Isto passou-se em Betânia, na margem além do Jordão, onde João estava a baptizar. 



Os campos florescem,os montes saltam como cordeiros...os coxos andam,os cegos passam a ver,a Boa Noticia será proclamada...

No meio das turbulências do tempo presente,os corações abertos,atentos,disponíveis recebem a esperança que não morre,chega a SALVAÇÃO do  nosso Deus no frágil bébé que Maria acarinha.

O Seu poder,a Sua Glória,a Sua Majestade permanecem na humildade da gruta de Belém.Mas continuamos a escalar os atributos de Deus pelos critérios dos senhores do mundo.

"Veio para o que era seu e os seus não O reconheceram".

Apesar de serem pregadas as Suas palavras,a Boa Nova ainda não irrompeu. 

Falta  rebentar a crosta dura da terra das nossas soberbas.

A voz de João,o Baptista continua ouvir-se  ,ao longe,no deserto das certezas instaladas.

07 dezembro 2008

II Domingo do Advento - vai chegar outro...


Evangelho segundo S. Marcos 1,1-8.

Princípio do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. Conforme está escrito no profeta Isaías: Eis que envio à tua frente o meu mensageiro,a fim de preparar o teu caminho. Uma voz clama no deserto: 'Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.’ João Baptista apareceu no deserto, a pregar um baptismo de arrependimento para a remissão dos pecados. Saíam ao seu encontro todos os da província da Judeia e todos os habitantes de Jerusalém e eram baptizados por ele no rio Jordão, confessando os seus pecados. João vestia-se de pêlos de camelo e trazia uma correia de couro à cintura; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre. E pregava assim: «Depois de mim vai chegar outro que é mais forte do que eu, diante do qual não sou digno de me inclinar para lhe desatar as correias das sandálias. Eu baptizei-vos em água, mas Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo.»


Vai chegar Outro...Será que O conhecemos? Será que O recebemos? Será que O aceitamos?

02 dezembro 2008

I Domingo do Advento-Vigiai


Evangelho segundo S. Marcos 13,33-37.

«Tomai cuidado, vigiai, pois não sabeis quando chegará esse momento. É como um homem que partiu de viagem: ao deixar a sua casa, delegou a autoridade nos seus servos, atribuiu a cada um a sua tarefa e ordenou ao porteiro que vigiasse. Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar o galo, se de manhãzinha; não seja que, vindo inesperadamente, vos encontre a dormir. O que vos digo a vós, digo a todos: vigiai!» 


Vigiai no caminho que é o mandamento do AMOR

23 novembro 2008

Qundo te vimos? - 34ºDomingo do tempo comum


Evangelho segundo S. Mateus 25,31-46.

«Quando o Filho do Homem vier na sua glória, acompanhado por todos os seus anjos, há-de sentar-se no seu trono de glória. Perante Ele, vão reunir-se todos os povos e Ele separará as pessoas umas das outras, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. À sua direita porá as ovelhas e à sua esquerda, os cabritos. O Rei dirá, então, aos da sua direita: 'Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era peregrino e recolhestes-me, estava nu e destes-me que vestir, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ter comigo.’ Então, os justos vão responder-lhe: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos peregrino e te recolhemos, ou nu e te vestimos? E quando te vimos doente ou na prisão, e fomos visitar-te?’ E o Rei vai dizer-lhes, em resposta: 'Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes.’ Em seguida dirá aos da esquerda: 'Afastai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, que está preparado para o diabo e para os seus anjos! Porque tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes de beber, era peregrino e não me recolhestes, estava nu e não me vestistes, doente e na prisão e não fostes visitar-me.’ Por sua vez, eles perguntarão: 'Quando foi que te vimos com fome, ou com sede, ou peregrino, ou nu, ou doente, ou na prisão, e não te socorremos?’ Ele responderá, então: 'Em verdade vos digo: Sempre que deixastes de fazer isto a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer.’ Estes irão para o suplício eterno, e os justos, para a vida eterna.» 

******
O Rei de um Reinado onde a importância,o destaque,a atenção se mede pela fraqueza.

Quando Te vimos? - sempre e mesmo sem O reconhecer quando fazemos o bem ao mais pequenino.

16 novembro 2008

XXXIII Domingo do Tempo Comum



Evangelho segundo S. Mateus 25,14-30.

«Será também como um homem que, ao partir para fora, chamou os servos e confiou-lhes os seus bens. A um deu cinco talentos, a outro dois e a outro um, a cada qual conforme a sua capacidade; e depois partiu. Aquele que recebeu cinco talentos negociou com eles e ganhou outros cinco. Da mesma forma, aquele que recebeu dois ganhou outros dois. Mas aquele que apenas recebeu um foi fazer um buraco na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor. Passado muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e pediu-lhes contas. Aquele que tinha recebido cinco talentos aproximou-se e entregou-lhe outros cinco, dizendo: 'Senhor, confiaste-me cinco talentos; aqui estão outros cinco que eu ganhei.’ O senhor disse-lhe: 'Muito bem, servo bom e fiel, foste fiel em coisas de pouca monta, muito te confiarei. Entra no gozo do teu senhor.’ Veio, em seguida, o que tinha recebido dois talentos: 'Senhor, disse ele, confiaste-me dois talentos; aqui estão outros dois que eu ganhei.’ O senhor disse-lhe: 'Muito bem, servo bom e fiel, foste fiel em coisas de pouca monta, muito te confiarei. Entra no gozo do teu senhor.’ Veio, finalmente, o que tinha recebido um só talento: 'Senhor, disse ele, sempre te conheci como homem duro, que ceifas onde não semeaste e recolhes onde não espalhaste. Por isso, com medo, fui esconder o teu talento na terra. Aqui está o que te pertence.’ O senhor respondeu-lhe: 'Servo mau e preguiçoso! Sabias que eu ceifo onde não semeei e recolho onde não espalhei. Pois bem, devias ter levado o meu dinheiro aos banqueiros e, no meu regresso, teria levantado o meu dinheiro com juros.’ Tirai-lhe, pois, o talento, e dai-o ao que tem dez talentos. Porque ao que tem será dado e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. A esse servo inútil, lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.’»


Oração por todos aqueles a quem os senhores da guerra retiraram a possibildade de desenvolver os talentos.

09 novembro 2008

XXXII DOMINGO COMUM


Evangelho segundo S. João 2,13-22.

Estava próxima a Páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. Encontrou no templo os vendedores de bois, ovelhas e pombas, e os cambistas nos seus postos. Então, fazendo um chicote de cordas, expulsou-os a todos do templo com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas dos cambistas pelo chão e derrubou-lhes as mesas; e aos que vendiam pombas, disse-lhes: «Tirai isso daqui. Não façais da Casa de meu Pai uma feira.» Os seus discípulos lembraram-se do que está escrito: O zelo da tua casa me devora. Então os judeus intervieram e perguntaram-lhe: «Que sinal nos dás de poderes fazer isto?» Declarou-lhes Jesus, em resposta: «Destruí este templo, e em três dias Eu o levantarei!» Replicaram então os judeus: «Quarenta e seis anos levou este templo a construir, e Tu vais levantá-lo em três dias?» Ele, porém, falava do templo que é o seu corpo. Por isso, quando Jesus ressuscitou dos mortos, os seus discípulos recordaram-se de que Ele o tinha dito e creram na Escritura e nas palavras que tinha proferido.


A água que vinha do templo já não era salubre,já não saciava,não produzia frutos,não dava alimento...(Ezequiel 47,1-2.8-9.12.)


01 novembro 2008

Todos os santos



Evangelho segundo S. Mateus 5,1-12. Ao ver a multidão, Jesus subiu a um monte. Depois de se ter sentado, os discípulos aproximaram-se dele. Então tomou a palavra e começou a ensiná-los, dizendo: «Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu. Felizes os que choram, porque serão consolados. Felizes os mansos, porque possuirão a terra. Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Felizes os puros de coração, porque verão a Deus. Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu. Felizes sereis, quando vos insultarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o género de calúnias contra vós, por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque grande será a vossa recompensa no Céu; pois também assim perseguiram os profetas que vos precederam.»


Pela magna carta dos cristãos ,todos e todas nos reúnimos na comunhão dos santos,aspirando,caminhando para a multidão imensa em volta do trono do Cordeiro,cantando e louvando eternamente as misericórdias de Deus!.

26 outubro 2008

XXX Domingo Comum (semana II do saltério)


Evangelho segundo S. Mateus 22,34-40.
Constando-lhes que Jesus reduzira os saduceus ao silêncio, os fariseus reuniram-se em grupo. E um deles, que era legista, perguntou-lhe para o embaraçar: «Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?» Jesus disse lhe: Amarás ao Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.» 


Os entendidos em areias teológicas confrontavam Jesus,de novo, mas em vez de o embaraçar recebiam de volta com limpidez e transparência o que já sabiam,mas agora validado pelo selo de Deus incarnado e com a garantia que nesse comando único estava contida toda a Lei e os Profetas.Para quê complicar,dourar,empregar os critérios de soberania e sabedoria  do mundo?

19 outubro 2008

XXIX Domingo Comum (semana I do saltério)


Evangelho segundo S. Mateus 22,15-21.

Então, os fariseus reuniram-se para combinar como o haviam de surpreender nas suas próprias palavras. Enviaram-lhe os seus discípulos, acompanhados dos partidários de Herodes, a dizer-lhe: «Mestre, sabemos que és sincero e que ensinas o caminho de Deus segundo a verdade, sem te deixares influenciar por ninguém, pois não olhas à condição das pessoas. Diz-nos, portanto, o teu parecer: É lícito ou não pagar o imposto a César?» Mas Jesus, conhecendo-lhes a malícia, retorquiu: «Porque me tentais, hipócritas? Mostrai-me a moeda do imposto.» Eles apresentaram-lhe um denário. Perguntou: «De quem é esta imagem e esta inscrição?» «De César» responderam. Disse-lhes então: «Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.»







Dar a César no que se chama o laicismo positivo e saudávelmente separador,mas dar a Deus o que é de Deus sem que se misturem os fumos de César e sem abandonar o objectivo de modificar César, até que a justiça e a paz se beijem.

12 outubro 2008

XXVIIIDomingo - Ide, pois, às saídas dos caminhos


Evangelho segundo S. Mateus 22,1-14.

Tendo Jesus recomeçado a falar em parábolas, disse-lhes: «O Reino do Céu é comparável a um rei que preparou um banquete nupcial para o seu filho. Mandou os servos chamar os convidados para as bodas, mas eles não quiseram comparecer. De novo mandou outros servos, ordenando-lhes: 'Dizei aos convidados: O meu banquete está pronto; abateram-se os meus bois e as minhas reses gordas; tudo está preparado. Vinde às bodas.’ Mas eles, sem se importarem, foram um para o seu campo, outro para o seu negócio. Os restantes, apoderando-se dos servos, maltrataram-nos e mataram-nos. O rei ficou irado e enviou as suas tropas, que exterminaram aqueles assassinos e incendiaram a sua cidade. Disse, depois, aos servos: 'O banquete das núpcias está pronto, mas os convidados não eram dignos. Ide, pois, às saídas dos caminhos e convidai para as bodas todos quantos encontrardes.’ Os servos, saindo pelos caminhos, reuniram todos aqueles que encontraram, maus e bons, e a sala do banquete encheu-se de convidados. Quando o rei entrou para ver os convidados, viu um homem que não trazia o traje nupcial. E disse-lhe: 'Amigo, como entraste aqui sem o traje nupcial?’ Mas ele emudeceu. O rei disse, então, aos servos: 'Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.’ Porque muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.»


Convidados para o banquete os maus e os bons...pelas saídas dos caminhos onde habitam os não estimáveis...mas como seria o traje nupcial...um coração desprovido,desarmado,ansioso,desinstalado,aceitando humildemente a plena gratuidade da salvação ?

05 outubro 2008

XXVII Domingo - produzirá os seus fruto


Evangelho segundo S. Mateus 21,33-43.

«Escutai outra parábola: Um chefe de família plantou uma vinha, cercou-a com uma sebe, cavou nela um lagar, construiu uma torre, arrendou-a a uns vinhateiros e ausentou-se para longe. Quando chegou a época das vindimas, enviou os seus servos aos vinhateiros, para receberem os frutos que lhe pertenciam. Os vinhateiros, porém, apoderaram-se dos servos, bateram num, mataram outro e apedrejaram o terceiro. Tornou a mandar outros servos, mais numerosos do que os primeiros, e trataram-nos da mesma forma. Finalmente, enviou-lhes o seu próprio filho, dizendo: 'Hão-de respeitar o meu filho.’ Mas os vinhateiros, vendo o filho, disseram entre si: 'Este é o herdeiro. Matemo-lo e ficaremos com a sua herança.’ E, agarrando-o, lançaram-no fora da vinha e mataram-no. Ora bem, quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros?» Eles responderam-lhe: «Dará morte afrontosa aos malvados e arrendará a vinha a outros vinhateiros que lhe entregarão os frutos na altura devida.» Jesus disse-lhes: «Nunca lestes nas Escrituras: A pedra que os construtores rejeitaram transformou-se em pedra angular? Isto é obra do Senhor e é admirável aos nossos olhos? Por isso vos digo: O Reino de Deus ser-vos-á tirado
e será confiado a um povo que produzirá os seus frutos





Tantas vezes que Deus deu a Sua vinha para trabalhar e quantas outras vezes foram eliminados quem vinha saber dela.E de novo Deus teve que procurar outros arrendatários.E ainda hoje assim sucede,com os frutos a acontecerem fora dos limites visíveis!

28 setembro 2008

XXVI Domingo - caminho da justiça


Evangelho segundo S. Mateus 21,28-32. «Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, disse-lhe: 'Filho, vai hoje trabalhar na vinha.’ Mas ele respondeu: 'Não quero.’ Mais tarde, porém, arrependeu-se e foi. Dirigindo-se ao segundo, falou-lhe do mesmo modo e ele respondeu: 'Vou sim, senhor.’ Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade ao pai?» Responderam eles: «O primeiro.» Jesus disse-lhes: «Em verdade vos digo: Os cobradores de impostos e as meretrizes vão preceder vos no Reino de Deus. João veio até vós, ensinando-vos o caminho da justiça, e não acreditastes nele; mas os cobradores de impostos e as meretrizes acreditaram nele. E vós, nem depois de verdes isto, vos arrependestes para acreditar nele.»

Dizer sim,com o ar untuoso e subserviente dos habitualmente correctos não chega,porque não estando presentes o coração e a vontade  nada acontece para que o Evangelho se cumpra.

O coração dos pecadores ,pronto  ao arrependimento,aos sinais de justiça que João Baptista e Jesus Cristo evidenciaram , abre-se  à graça,para responder com mudança de vida, com actos de solidariedade concretos ,à vontade do Pai.


21 setembro 2008

XXV Domingo -É que ninguém nos contratou .

(foto da net)
Evangelho segundo S. Mateus 20,1-16.

Com efeito, o Reino do Céu é semelhante a um proprietário que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para a sua vinha. Saiu depois pelas nove horas, viu outros na praça, que estavam sem trabalho, e disse-lhes: 'Ide também para a minha vinha e tereis o salário que for justo.’ E eles foram. Saiu de novo por volta do meio-dia e das três da tarde, e fez o mesmo. Saindo pelas cinco da tarde, encontrou ainda outros que ali estavam e disse-lhes: 'Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’ Responderam-lhe: 'É que ninguém nos contratou.’ Ele disse-lhes: 'Ide também para a minha vinha.’ Ao entardecer, o dono da vinha disse ao capataz: 'Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, começando pelos últimos até aos primeiros.’ Vieram os das cinco da tarde e receberam um denário cada um. Vieram, por seu turno, os primeiros e julgaram que iam receber mais, mas receberam, também eles, um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo: 'Estes últimos só trabalharam uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o cansaço do dia e o seu calor.’ O proprietário respondeu a um deles: 'Em nada te prejudico, meu amigo. Não foi um denário que nós ajustámos? Leva, então, o que te é devido e segue o teu caminho, pois eu quero dar a este último tanto como a ti. Ou não me será permitido dispor dos meus bens como eu entender? Será que tens inveja por eu ser bom?’ Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. Porque muitos são os chamados, mas poucos os es
colhidos.


Senhor,ensinaste-nos a pedir trabalhadores para a tua messe.

Mas será que os que entregas serão sempre contratados ?

14 setembro 2008

XXIV Domingo do Tempo comum

(mosteiro da Batalha)

Evangelho segundo S. João 3,13-17.

Pois ninguém subiu ao Céu a não ser aquele que desceu do Céu, o Filho do Homem. Assim como Moisés ergueu a serpente no deserto, assim também é necessário que o Filho do Homem seja erguido ao alto, a fim de que todo o que nele crê tenha a vida eterna. Tanto amou Deus o mundo, que lhe entregou o seu Filho Unigénito, a fim de que todo o que nele crê não se perca, mas tenha a vida eterna. De facto, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele.




O sinal do Filho do Homem é a cruz.

Por ela fomos remidos,libertados,amados até à paixão ,atraídos de Norte a Sul,de Oriente a Ocidente para formarmos um só povo ,sem muros de inimizades e incompreensões.

Com o Apóstolo Paulo dizemos:Na cruz de Cristo é que somos glorificados.

07 setembro 2008

XXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM -Digo-vos ainda


Evangelho segundo S. Mateus 18,15-20.

«Se o teu irmão pecar, vai ter com ele e repreende o a sós. Se te der ouvidos, terás ganho o teu irmão. Se não te der ouvidos, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão fique resolvida pela palavra de duas ou três testemunhas. Se ele se recusar a ouvi-las, comunica-o à Igreja; e, se ele se recusar a atender à própria Igreja, seja para ti como um pagão ou um cobrador de impostos. Em verdade vos digo: Tudo o que ligardes na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na Terra será desligado no Céu.» «Digo-vos ainda: Se dois de entre vós se unirem, na Terra, para pedir qualquer coisa, hão-de obtê-la de meu Pai que está no Céu. Pois, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles.» 






Jesus fala-nos da convivência nas nossas comunidades.Como é importante que cara a cara possamos resolver os nossos conflitos ,mesmo com o auxilio de mais alguém,de forma positiva nas nossas tão variadas formas de ser,como variadas são as cores da Natureza, nunca afectando os irmãos com intrigas e mesquinhices ,quando não se podem defender.

Gerir o silêncios ou as palavras da forma mais adequada para que Jesus possa estar entre os nossos corações pacificados concedendo-nos o afecto e a ternura do PAI. 

31 agosto 2008


EVANGELHO – Mt 16, 21-27

 

«Se alguém quiser seguir-me, renegue-se a si mesmo, pegue na sua cruz e siga-me».

 


 

XXII DOMINGO DO TEMPO COMUM

            O texto fundamental é o do Evangelho: Jesus anuncia aos discípulos que caminha para Jerusalém ao encontro da morte; Pedro, ou por optimismo ou porque se atreve a dar conselhos (não leves as coisa tão a fio de espada), diz que isso não há-de suceder; Jesus zanga-se e afirma que Pedro é para ele um tropeço. Acrescentam-se outras palavras de Jesus, pronunciadas nessa altura ou em ocasião semelhante. Hoje, é moda pretender que Jesus nunca anunciou que ia morrer e que este passo foi inventado para facilitar a pregação. Bons exegetas contemporâneos, mantêm que o essencial do texto é da boca de Jesus.

 

            A questão que quero levantar é a do sentido do sofrimento para Jesus. Jesus não afirmou, como nas tradições da Índia, que o fundo da experiência humana é desilusão e dor, a única decisão sensata é desejar o nirvana. Nunca disse que, dada a realidade do pecado, o homem deve fugir de toda a alegria e de todo o prazer, não vá contaminar-se. Elogiou a austeridade de João Baptista, mas não era esse ainda o seu estilo.

 

            Vejo Jesus a simpatizar profundamente com os homens e com esta condição humana; a não ter medo da alegria; a viver a austeridade de quem não se preocupa com o secundário. Por outrro lado, há em toda a sua pregação a ideia que este mundo está invadido pelo mal, e que o mal tem poder; anunciar o amor e a paz é lutar contra o maligno; combater o mal implica que se arrisque a vida; precisamente Jesus vê o cerco a apertar-se,  aceita o desafio e convida os discípulos a imitá-LO. Não morre nem sofre por gosto, aceita a morte como consequência das opções que fez. Sabe que o Pai lhO agradece; e que esta cruz será redentora.

 

            O texto da 1.º leitura é parecido: Jeremias sabe que ser profeta é arriscar a tranquilidade; mas deixou-se «cativar pelo Senhor», compreendeu que só na fidelidade está a verdadeira alegria.

 

            Na 2.ª leitura S. Paulo pede aos cristãos que se ofereçam a Deus para o que for preciso. A disponibilidae é a essência do «sacrifício».

31 de Agosto de 2008 -  P.e João Resina Rodrigues

Igreja do Campo Grande

30 agosto 2008

XXII Domingo - e sofrer muito...

,
Evangelho segundo S. Mateus 16,21-27. 

A partir desse momento, Jesus Cristo começou a fazer ver aos seus discípulos que tinha de ir a Jerusalém e sofrer muito, da parte dos anciãos, dos sumos sacerdotes e dos doutores da Lei, ser morto e, ao terceiro dia, ressuscitar. 
Tomando-o de parte, Pedro começou a repreendê-lo, dizendo: «Deus te livre, Senhor! Isso nunca te há-de acontecer!» 
Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: «Afasta-te, Satanás! Tu és para mim um estorvo, porque os teus pensamentos não são os de Deus, mas os dos homens!» 
Jesus disse, então, aos discípulos: «Se alguém quiser vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. 
Quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas, quem perder a sua vida por minha causa, há-de encontrá-la. 
Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua vida? Ou que poderá dar o homem em troca da sua vida? 
Porque o Filho do Homem há-de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um conforme o seu procedimento. 


                                                                                    ***

Uma hora Jesus elogia e chama  Pedro a formar a Sua Igreja,dando-lhe poderes delegados para receber e governar os filhos do Pai.

Mas outra hora chama-lhe a atenção e repreende-o duramente quando Pedro confunde o que é de Deus com o que é do mundo.Quando quer assimilar aos sucessos ,dominios  e poderes do mundo a mensagem de Jesus.

Sempre, através dos tempos, o ganhar o mundo, perdendo a Vida (EU SOU A VIDA) foi uma tentação  forte da Igreja.


24 agosto 2008

XXI Domingo- não foi a carne e o sangue


Mateus 16,13-20.

Ao chegar à região de Cesareia de Filipe, Jesus fez a seguinte pergunta aos seus discípulos: «Quem dizem os homens que é o Filho do Homem?» Eles responderam: «Uns dizem que é João Baptista; outros, que é Elias; e outros, que é Jeremias ou algum dos profetas.» Perguntou-lhes de novo: «E vós, quem dizeis que Eu sou?» Tomando a palavra, Simão Pedro respondeu: «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo.» Jesus disse-lhe em resposta: «És feliz, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que to revelou, mas o meu Pai que está no Céu. Também Eu te digo: Tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Abismo nada poderão contra ela. Dar-te ei as chaves do Reino do Céu; tudo o que ligares na terra ficará ligado no Céu e tudo o que desligares na terra será desligado no Céu.» Depois, ordenou aos discípulos que a ninguém dissessem que Ele era o Messias. 


E Marta, como Pedro, também respondeu a Jesus:
27Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo.
Jo 11,27

Tal como a nós não foi o carne nem o sangue que revelou a identidade de Jesus ,mas a Fé que o nosso Abba nos depositou no peito.

Depositada no coração de cada um, necessita da nossa colaboração para crescer e se tornar viva...assim Jesus nos falar que busquemos,que batamos :para que cresça o grãozinho de mostarda até ser a grande árvore, onde poisam as avezitas do céu.

E somos felizes porque VIVO Jesus,o Cristo, faz connosco todas as rotas da nossa solidão,das nossas angústias,dos nossos pesares,das nossas alegrias e impulsiona-nos ,pelo Espírito ,a entregar-mo-nos com Ele ao Pai,para fazer das nossas vidas uma oferta permanente de constante Amor,de Perdão,de Renúncia ao que nos diminui e afasta Dele.



17 agosto 2008

XX Domingo - A mulher que ensinou Jesus...


Evangelho segundo S. Mateus 15,21-28.

Jesus partiu dali e retirou-se para os lados de Tiro e de Sídon. Então, uma cananeia, que viera daquela região, começou a gritar: «Senhor, Filho de David, tem misericórdia de mim! Minha filha está cruelmente atormentada por um demónio.» Mas Ele não lhe respondeu nem uma palavra. Os discípulos aproximaram-se e pediram-lhe com insistência: «Despacha-a, porque ela persegue-nos com os seus gritos.» Jesus replicou: «Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.» Mas a mulher veio prostrar-se diante dele, dizendo: «Socorre-me, Senhor.» Ele respondeu-lhe: «Não é justo que se tome o pão dos filhos para o lançar aos cachorros.» Retorquiu ela: «É verdade, Senhor, mas até os cachorros comem as migalhas que caem da mesa de seus donos.» Então, Jesus respondeu-lhe: «Ó mulher, grande é a tua fé! Faça-se como desejas.» E, a partir desse instante, a filha dela achou-se curada. 



Jesus acompanha-nos com tal intensidade na sua humanidade,que se deixa ensinar pela mulher estrangeira que Deus não é exclusivo,nem exclui...para além das ovelhas perdidas da casa de Israel Ele é SEnhor de todos s continentes,de todos os povos-

Veio para todos e todas de todas as latitudes,de todas as longitudes,não se ficando pelo povo incubador da unicidade de Deus.......

15 agosto 2008

II Elegia a Maria na sua Assunção-o sim progressivo.






Regozijar-me-ei muito no SENHOR, a minha alma se alegrará no meu Deus; porque me vestiu de roupas de salvação, cobriu-me com o manto de justiça, como um noivo se adorna com turbante sacerdotal, e como a noiva que se enfeita com as suas jóias.Is 61,10
A jovem Maria esperava como todo Israel o Messias prometido, e recuperada que foi da surpresa e  objecção que o seu entendimento e vontade provocava,o SIM foi dado ao Anjo que vinha anunciar o cumprimento da promessa. 

E dentro em breve ,apressadamente,acorria para ajudar a sua parente Isabel cantando ,louvando e enaltecendo o Senhor que trazia em Si,que nela fazia maravilhas para trazer a todo o povo o Libertador da sua pátria,o portador da justiça.Tudo era omnipotência,força e grandeza."Tirou do trono os poderosos..." 

Mas quando nasceu o Menino começou a guardar no coração  as coisas magnificentes que falavam Dele de acordo com o que lhe havia ensinado  a sua formação hebraica ,mas que  a pobreza,a humildade do seu nascimento contrariavam.

E cumprindo com a lei levou o Menino ao Templo igual estranheza,um agudo rebate  soou nas palavras de Simeão

34E Simeão os abençoou, e disse a Maria, sua mãe: Eis que este é posto para queda e elevação de muitos em Israel, e para sinal que é contraditado
35(E uma espada traspassará também a tua própria alma); para que se manifestem os pensamentos de muitos corações.Lucas 2

O "SIM" de Maria começava a tomar uma intensidade e uma amplitude maior.

Deixar a sua terra,caminhar em refugiada com o Rei,com o Messias poderoso.Mas como,mas porquê?


Começar a aceitar uma série de palavras mais duras para o seu coração de Mãe para compreender o afastamento progressivo que a condição divina,que o sentido de família dilatada,que o
s interesses do Pai deveriam passar à frente do seu envolvimento materno.


Mais um SIM interrogativo,apelativo  à morte e morte de cruz,onde se desfazia toda a epopeia gloriosa do Messias,que cantara no Magnificat.


E o SIM final aceitando a maternidade com a dimensão do mundo que lhe fora entregue e que a Ressurreição viria a confirmar,na  efusão do Espírito Santo .

 Maria,mãe,mulher ajuda-nos a que o nosso SIM ao projecto de DEus para cada um de nós,que nada tem a ver com os poderes e glórias do mundo,atravessando as noites  escuras até à manhã  dourada de Pentecostes seja tão fiel,tão claro,tão crescente como o teu!  

10 agosto 2008

19º Domingo - Vem


Evangelho segundo S. Mateus 14,22-33.

Depois, Jesus obrigou os discípulos a embarcar e a ir adiante para a outra margem, enquanto Ele despedia as multidões. Logo que as despediu, subiu a um monte para orar na solidão. E, chegada a noite, estava ali só. O barco encontrava-se já a várias centenas de metros da terra, açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário. De madrugada, Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar. Ao verem-no caminhar sobre o mar, os discípulos assustaram-se e disseram: «É um fantasma!» E gritaram com medo. No mesmo instante, Jesus falou-lhes, dizendo: «Tranquilizai-vos! Sou Eu! Não temais!» Pedro respondeu-lhe: «Se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as águas.» «Vem» disse-lhe Jesus. E Pedro, descendo do barco, caminhou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo a violência do vento, teve medo e, começando a ir ao fundo, gritou: «Salva-me, Senhor!» Imediatamente Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e disse-lhe: «Homem de pouca fé, porque duvidaste?» E, quando entraram no barco, o vento amainou. Os que se encontravam no barco prostraram-se diante de Jesus, dizendo: «Tu és, realmente, o Filho de Deus!» 


Vem  - diz Jesus
às famílias,aos sem-família,aos velhos,aos jovens,às crianças,aos aflictos,aos cansados ,aos oprimidos.

Vem - diz Jesus -porque eu alivio,curo,sossego,animo,
pacífico.

E se a hora for tão sombria que o medo ultrapasse a Fé,a confiança,a esperança ainda é Jesus, que imediatamente nos estende a mão.


09 agosto 2008

Celebrando a Assunção-a I Elegia

Elegia a Maria,mulher e mãe na sua assunção

Virgem Pelagonitissa

Não são as estrelas que te coroam,a tua concepção sem pecado ou o teres sido assunta ao céu em corpo e alma,condições inerentes à condição de mãe de Cristo,que me encantam e dão alento,mas sim ,como relatam os Evangelhos,a tua vida de criatura,como nós,caminhando cheia de perguntas e perplexidades,que não compreendendo, guardavas no coração,alimentada sòmente pela fé,sem revelações ou auxilios especiais.



Sim,Maria ,foram horas penosas e iguais às de tantas mães,as que passaste quando jovem grávida percorreste mais de cem km ,não sabendo o lugar ou as condições em que iria nascer o Menino,ou quando refugiada politica procuraste a terra do Egipto,sem saber quando e se podias regressar a casa ou ainda na angustia dos dias de Jerusalém ,procurando o Filho desaparecido ,com todas as interrogações se ainda o irias encontrar,se lhe teriam feito mal.


Vida normal e igual na rotina diária de trinta anos sem acontecimentos,que fizessem adivinhar as promessas constantes da lei,para finalizar na interrogativa,dolorosa e cruel morte de cruz do teu Filho a que assististe quase sòzinha e em que foste investida da missão a que estavas destinada,nos séculos futuros,a de mãe da humanidade.

E se não são férteis os Evangelhos a mostrar-nos os teus passos de peregrina humana são suficientes os exemplos que nos ficaram da tua disponibilidade desde o faça-se inicial até o auxilio prestado aos outros,atravessando montanhas,em condições dificeis , para ajudar a prima Isabel ou preocupando-se até pela humilhação do dono da casa nas bodas de Caná, tentando discretamente resolver a sua aflição ou ainda quando fortalecias os apóstolos nas suas jornadas no Pentecostes da Igreja,frente a um meio hostil.


Por toda a tua vida ,obrigada,Mãe,nosso consolo,nossa ajuda e nossa alegria na peregrinação desta vida,em direcção ao único Senhor e Redentor.